Claudemir  Galvão
IMG_8767222
IMG_8318-3
IMG_8714-2
IMG_8769
IMG_8407

Claudemir Galvão (@claugalvao_)

Fotografo e acadêmico do 7º semestre | Publicidade e Propaganda - UFRB 

"Imagens de crianças da comunidade saubarense que tive a oportunidade de me conectar em diversos momentos. Através das suas brincadeiras e traquinagens me ensinaram alguns aspectos culturais, sociais e de ancestralidade. Isso me despertou o desejo de reivindicar por uma comunidade que a todo momento sofre com a exclusão social, frente a uma sociedade bastante complexa."

Ellen Katarine
IMG-20200825-WA0092
press to zoom
IMG_6847-3
press to zoom
IMG_0514
press to zoom
IMG_0368
press to zoom
IMG_0117
press to zoom
IMG_8769 (2)
press to zoom
1/1

Ellen Katarine (@ekfotografia)

Natural de Valente, na Bahia. Atualmente reside em Cachoeira-BA, na região do Recôncavo Baiano. Historiadora em formação e fotógrafa, está iniciando sua pesquisa sobre as representações de mulheres negras nas fotografias no século XIX e início do XX. Seu contato com a fotografia alvoreceu na infância e desde o ano de 2017 iniciou profissionalmente na área. Registra o cotidiano, cria e dirige ensaios artísticos que demarcam a ancestralidade e representatividade, trazendo também afeto, resistência, vivências, elevando a beleza e indo contra estereótipos e preconceitos que foram colocados em nossos corpos pretos. Faz parte da equipe de fotografia da Odé Produções, tem experiência em still e direção de fotografia.

Giovane Alcântara
Besouro-Mangaga---TBT
press to zoom
Colagem-1---2021-EM-CADA-CABEÇA-UM-SOL,-
press to zoom
imaginar outros futuros possíveis
press to zoom
AFEIÇÃO-NEGRA
press to zoom
mae-e-filho---colagem_01
press to zoom
Segura a planta
press to zoom
1/1

 Giovane Alcântara (@jovibasquiat)

Jornalista e artista visual. Faz morada no Recôncavo baiano. Em 2019, ingressou no mundo das colagens digitais, procurando assemelhar os ataques que o Cinema e o Nordeste brasileiro vinham sofrendo do Presidente Jair Messias Bolsonaro. Depois disso não abandonou mais o recorte de vida. Tudo que transpõe nas colagens faz parte de algo que lhe atravessa. É o Rio de Contas, o Rio Paraguaçu, as vivências enquanto homem negro e LGBTQIA+, as suas subjetividades, as suas individualidades e as suas moradas.

ARTE 1. BESOURO MANGANGÁ, 2019

Fala sobre o famoso capoeirista baiano e do Recôncavo, Besouro Mangangá. Surge de uma pesquisa onde descobri que o famoso capoeirista morava em Santo Amaro da Purificação, vizinha de Cachoeira/BA. 

ARTE 2. UM SOL PARA CADA CABEÇA SOB O OLHAR TORTUOSO DA SOCIEDADE, 2021

Fala sobre a vitalidade do astro-rei sobre nossas vidas e pede paz, guiança e constante equilíbrio e crescimento, partindo de princípios espirituais. 

ARTE 3. IMAGINAR OUTROS FUTUROS POSSÍVEIS, 2020

O que tempos como o que estamos vivendo nos ensina? E o que você tem aprendido? O que você projeta e visualiza na sua projeção? A gente conseguiria imaginar outros futuros possíveis?. 

ARTE 4. AFEIÇÃO NEGRA, 2020

Fala sobre afeto, sobre permissão, sobre uma construção social que não nos permite acessar esse sentimento.

ARTE 5. MÃE E FILHO, 2020

Fala sobre pensar um outro futuro, recuperando o antes e quem veio antes de nós, e vivenciando o presente.

ARTE 6. TODO MENINO É UM REI, 2020

Sem descrição. 

João Guedes
01 - Afago Malungu - João Guedes
press to zoom
03 - Coração é terra que ninguém passeia
press to zoom
05 - Tem alguém em casa - João Guedes
press to zoom
02 - Voz - João Guedes
press to zoom
04 - Cosme Menino - João Guedes
press to zoom
06 - Palavras aglomeradas - João Guedes.
press to zoom
1/1

João Guedes (@jaumguedes)

 

21 anos, é artista multilinguagem, designer, diretor de arte e criativo multimídia; nascido e criado na cidade de Salvador-BA. É um entusiasta da moda, música, expressões artísticas contemporâneas e cultura digital. 

 

Desde 2016, seu mergulho profundo é em estabelecer conexões entre múltiplas linguagens artísticas e criação de imagens. João acredita que imagem não é apenas aquilo que podemos ver, mas também sentir; aquilo que conseguimos capturar das experiências e transformar em memórias. Memórias que transcendem o espaço-tempo, a volatilidade dos tempos hipermodernos e a efemeridade das novas mídias digitais. 

Enquanto (re)olha o mundo, torna questionamentos, inquietações, sensações e desejos em narrativas de emancipação imagética. Se atendo às ferramentas de criação de imaginários e discurso - que nos foram negadas por séculos - para (re)construir a representação e a forma de nos enxergarmos enquanto pessoas pretas, contrariando qualquer tipo de olhar desumanizante e limitado.
 

HIATO
LAGOA DO ABAETÉ
press to zoom
14 DE MAIO
press to zoom
APOCALIPSE
press to zoom
SAUDADE
press to zoom
DIVERSÃO BILIONÁRIA
press to zoom
MENINOS NEGROS
press to zoom
1/1

HIATO (@hiatozeferino)

 

HIATO é artista visual. Quem agora investe em uma pós-graduação em Literatura e Cultura é Hilário Zeferino, que é também poeta e professor, contribuindo dessa forma para o entortar de imagens que HIATO promove através de suas colagens. Analógicas e digitais. Porque HIATO entende que, através da imagem, compreendemos fagulhas de discursos e de mais discursos. Para HIATO, a imagem é teoria. É enunciado. É ruptura; fratura; descolamento; deslocamento; deslizamento. Indissociáveis - leitura verbal e leitura visual - HIATO e Hilário caminham juntos nessa espiral que tem como palco a reterritorialização das humanidades negras. Os motivos - introdução e conclusão - de ambos são cindir; firmar; assentar; furar; reparar e disparar. Abrir o negro à vertigem de si mesmo; abrir a vertigem à negritude de si mesma. HIATO disputa, através das imagens que cola e que cozinha, a ontologia. Refazer a história e refazer a História. HIATO está procurando outras maneiras de dicção, de ficção e de fricção.